Jacarezinho um Santuário Profanado

Publicado por Bira Costa em 21/02/2015 às 12h15

REPORTAGEM ESPECIAL

Fotos: Bira Costa/Online

Reportagem do Jornal A Notícia e Site Online esteve visitando moradores e conhecendo o drama deste belo bairro onde há uma das maiores afluências de pessoas e banhistas, que, hoje, está pedindo socorro.

Praia do Jacarezinho em TapesOutrora foi a praia mais bela de Tapes.  O cenário paradisíaco. 

A beleza da enseada moldada pela natureza durante séculos, sempre atraiu os olhares dos turistas.

Muitos destes se deixaram capturar e embriagados diante deste pedaço de paraíso e vieram morar em Tapes.

Outros voltam todos os anos como um fiel retorna ao seu santuário ao seu espaço mágico.

Um destes devotos da Praia do Jacarezinho, no bairro Pinvest é Emilio Leite.

Antes vinha para a casa de um cunhado visitar a cidade no verão.

Mas há 12 anos comprou uma residência na Rua do Jacarezinho que margeia a Lagoa dos Patos na parte norte do balneário. Por motivos profissionais não fixou residência.

Mas vem todos os anos para seu refúgio com a família e parentes. Emilio nos mostra  as crateras resultado da erosão que já consumiu mais de um terço da rua.

O problema é crônico a rua cai todos os anos. Afirma o morador com razão. Somente este ano a prefeitura colocou saibro na rua por três vezes tentando conter a erosão.

Ações meramente paliativasDestruição da pria em Tapes

“Colocam saibro e ai vem à chuva e leva todo o saibro para lagoa e começa a ruir a rua de novo.

Sempre assim”, desabafa, lamentando que esta já foi uma das  melhores praias, e hoje, esta num estado deplorável.

O morador-veranista criticou a falta de iniciativa da prefeitura. Que se limita apenas agir quando a situação já é insustentável.

Com a mesma estratégia de atenuar e adiar o problema.

Ele argumenta ainda que o Poder Público não apresenta nenhum planejamento para resolver a situação.

Citou também o lixo que há vinte dias não é recolhido junto à praça do bairro.

Outra moradora, Cristina Tonetto, lembra quando foi em uma  audiência na Câmara de Vereadores, em 2011, onde a prefeitura apresentou um mega projeto de Revitalização da Orla. Naquele momento ela pensou que finalmente “teríamos uma orla bonita e planejada.” Porém, ficou só no projeto.

Anteriormente, em 2005, a Prefeitura buscou uma solução para a erosão da Rua do Jacarezinho. Na época foi firmado um convênio com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que realizou estudos e análise da causa do avanço erosivo na orla, onde a Praia e Rua Vitor Hugo Porto (lado norte conhecida popularmente como do Jacarezinho) foram completamente destruídas pelas forças das águas e pelo avanço da Lagoa.

O município buscou a solução correta na época. Para que houvesse a recuperação da área degradada, a Universidade apresentou projeto que previa a construção de espigões para o engordamento da praia com o preenchimento de areia entre eles, e assim no futuro, pudesse a área destruída ser totalmente reconstruída.

Os espigões foram construídos. E abandonados. Hoje são escombros do que eram. E o problema se agravou.  Cristina Tonetto considera que foi uma boa iniciativa, pois, a quebra das ondas não deixa a areia ser levada para dentro da lagoa pelas microcorrentes.

Porém, mais de quatro anos sem manutenção os espigões não conseguem mais conter o avanço da água.

Retirada de areia clandestina chega a ser de 20 carroças diárias

Mas os moradores são enfáticos em afirmar que os problemas não se resumem a rua que vive desmoronando. Citam o recolhimento do lixo que é realizado de forma precária.

Permanecendo o lixo ao redor das lixeiras que caem e não são juntados pelos catadores que realizam o serviço para prefeitura. Assim como só é recolhido o que esta em sacolas permanecendo nas lixeiras restos de frutas e outros dejetos.

Estes acabam sendo retirados pelos próprios moradores. O roubo de areia também foi citado. Os moradores que residem no extremo da praia denunciam que no inverno são retiradas diariamente em torno de 20  carroças de areia da beira da praia no mato localizado após a sanga. No verão devido ao movimento na praia o roubo de areia cessa.

Não há fiscalização. Estão destruindo aquela área ambiental de APP. E ninguém se mexe. Fazem vistas grossas. E não é só ali perto da praça, também dentro do mato existem crateras que ficam após a retirada da areia fina.

Descarte de entulhos na mata sem controle

Entulhos na PinvestA reportagem do A Notícia e do Site Online esteve nestes locais e comprovou que além da areia retirada as matas estão cheias de caliças, restos de podas e outros objetos como vaso sanitários e restos de televisão descartados em meio a vegetação.

Também são visíveis as marcas de carroças que ao invés de levar para o local de descarte utilizam da vegetação alta do local para jogar os entulhos.

“Às vezes penso que Tapes é um caso perdido.  Basta olhar para algum lugar do bairro Pinvest e veremos o descaso. Obras mal feitas, danos ambientais. Locais sem lâmpadas, em outros elas permanecem ligadas o dia inteiro. Até a guarita dos  salva-vidas está caindo”, finaliza a indignada moradora.  

 

 

Categoria: Meio Ambiente
Tags: online, Pinvest, Praia do Jacarezinho, Santuário Profanado, Tapes

Enviar comentário

voltar para Notícias

left normalcase show fsN tsN fwR|left tsN fwB b03s bsd|left fwR show tsN center|c05||image-wrap|login news b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase tsN c05 sbss|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c05 sbss|signup|content-inner||