Coleta de sementes na BR-116 visa manutenção da biodiversidade

Publicado por Bira Costa em 27/06/2015 às 10h40

Fonte: STE/Amanda Montagna

Projeto de Resgate de Germoplasma é uma das medidas mitigadoras previstas na duplicação da rodovia

Meio AmbienteComo forma de compensar os impactos causados pela supressão vegetal nas obras de duplicação da BR-116/RS, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), por meio da Gestão Ambiental (STE S.A.), resgata os recursos genéticos de espécies vegetais nativas que se encontram na faixa de domínio da rodovia.

A prática prevista no Projeto de Resgate de Germoplasma ocorre através da coleta de sementes e posterior doação a viveiros municipais e outras instituições conveniadas.

O objetivo é contribuir com a manutenção da biodiversidade e a regeneração parcial do habitat e da vegetação.

Os trabalhos começaram em junho de 2015 e até o momento foi doado 1,55 kg de sementes aos viveiros, os quais são responsáveis por receber, multiplicar e manter o material coletado em campo.

As principais espécies alvo da atividade são: ingá (Inga marginata), pitangueira (Eugenia uniflora), araçá (Psidium cattleianum), canelas (Ocotea spp. e Nectandra spp.), figueira (Ficus spp.), corticeira-do-banhado (Erythrina crista-galli), ipê-roxo (Handroanthus heptaphyllus), timbaúva (Enterolobium contortisiliquum), canafístula (Peltophorum dubium ), aroeira-vermelha (Schinus terebinthifolius) e capororoca (Myrsinespp.). 

A engenheira florestal da Gestão Ambiental, Aline Ceolin, cita quais elementos determinam esta seleção. “Alguns fatores são levados em conta, como o interesse dos viveiros, bem como a abundância, relevância ecológica e grau de ameaça. Também são coletadas espécies imunes ao corte no Estado, caso da figueira e da corticeira-do-banhado”.

A escolha das matrizes é baseada no fenótipo (características) da planta, sendo selecionadas árvores vigorosas, sem fitopatologias (doenças) e boas produtoras de sementes.STE

Com o auxílio de podão (instrumento para podar árvores), as amostras são apanhadas quando maduras, separadas em embalagens e levadas ao destinatário.

As matrizes são georreferenciadas e marcadas com fita zebrada.

Conforme Aline, o processo de maturação das sementes deve estar concluído devido ao alto grau de germinação e potencial de armazenamento.

“Neste estágio as sementes estão com sua formação completa, as mudanças morfológicas, fisiológicas e bioquímicas se encontram com seu ciclo completo.

A época da colheita varia em função da espécie, do ano e de árvore para árvore.

Por isso, há necessidade de acompanhar o estágio de maturação para estabelecer o momento da colheita”, explica.

O resgate de germoplasma é uma atividade prevista no Programa de Monitoramento e Conservação da Flora da BR-116/RS.

Categoria: Meio Ambiente
Tags: DNIT, Duplicação da BR 116, online, STE, Tapes

Enviar comentário

voltar para Notícias

left normalcase show fsN tsN fwR|left tsN fwB b03s bsd|left fwR show tsN center|c05||image-wrap|login news b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase tsN c05 sbss|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c05 sbss|signup|content-inner||