Somente a China pode viabilizar o projeto da Foton em Guaíba

Fonte e foto: Gazeta Centro Sul/Guaíba/LA/GAZETA

guaibaEm 2013, a Foton Aumark do Brasil protocolou na Prefeitura de Guaíba o projeto da obra civil de uma fábrica de caminhões da Foton (marca chinesa), ocupando uma área de 150 hectares na Zona Mista Industrial (foto), localizada entre a Estrada do Conde e a BR-116 (em parte do terreno que havia sido destinado à Ford).

O investimento inicial seria de R$ 250 milhões, com geração de trezentos empregos diretos. Um projeto de lei do Executivo foi aprovado pela Câmara Municipal, concedendo isenções fiscais.

De acordo com o projeto original, a fábrica local entraria em operação em 2015, produzindo 21 mil caminhões por ano, de 3,5 toneladas até 24 toneladas, contando com incentivos fiscais do programa Inovar Auto, do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

A partir de 2018, a produção seria ampliada para 50 mil veículos anuais. A planta de Guaíba iria atender ao mercado do Brasil, da América do Sul e da África.

Solenidades e Promessas Vazias

Em abril de 2014, foi realizada uma grande solenidade, com a presença do governador do RS, Tarso Genro, e de diversas autoridades, no terreno destinado à fábrica de caminhões, anunciando oficialmente o início das obras. A Licença de Instalação (LI) foi liberada pela Fepam. Na ocasião, foi anunciado que o primeiro caminhão brasileiro da marca deixaria a linha de montagem em Guaíba no primeiro semestre de 2016. Neste período, a Estrada do Conde seria duplicada com recursos do Governo Federal.

Em cinco anos, desde o anúncio do protocolo de intenções para a instalação da fábrica de caminhões em Guaíba, foram realizados diversos encontros de ajustes no projeto, com mudanças de prazos para o início das obras, mas, na prática, nada aconteceu.

Vigilantes Sem Receber

Essa semana, foi aprovado na Câmara Municipal um requerimento do vereador Miguel Crizel, questionando a Foton Aumark do Brasil, que recebeu incentivos fiscais para instalar uma montadora em Guaíba, o que não aconteceu. Além disso, não estaria pagando os prestadores de serviços do Município.

A Gazeta Centro-Sul ouviu a direção da empresa Serv Seguro, que prestava serviço de vigilância no terreno destinado à Foton. A empresa afirma que há oito meses a fatura de R$ 21 mil mensais começou a ser paga pela metade, e há quatro meses o repasse deixou de ser feito, inviabilizando a continuidade do serviço. A Serv Seguro pede a intermediação da Câmara e da Prefeitura para receber os valores atrasados, na ordem de R$ 130 mil, e indenizar os trabalhadores que ficaram sem receber os salários.

O que diz a Foton

Em entrevista à Gazeta Centro-Sul, o diretor de Relações Institucionais da Foton Aumark do Brasil, Luiz Carlos Paraguassu, admitiu a dívida com a empresa de vigilância, mas negou que o terreno esteja abandonado.

Paraguassu disse que o atraso no início da execução do projeto de Guaíba se deve à forte crise que atingiu a economia do Brasil em todos os setores. Com isso, o projeto está sendo refeito, buscando a incorporação da Foton China, com uma planta bem maior do que a original, incluindo a produção de vans, SUVs, picapes e veículos pesados. Segundo o diretor, o acordo com os chineses está sendo aguardado ainda para este ano.

Em relação ao empréstimo de R$ 65 milhões do BNDES, Paraguassu explicou que o valor seria usado para a obra, mas, apesar de ter sido aprovado, nenhum centavo foi usado. Ele explicou que para cada mil reais do empréstimo a Foton tem de acrescentar mil reais. Com a insegurança do mercado, o projeto da Aumark está suspenso. Os esforços estão concentrados em manter a produção de caminhões em Caxias do Sul, o que está gerando a dificuldade para pagar a empresa de vigilância.

Paraguassu disse que está à disposição dos vereadores de Guaíba para fazer os esclarecimentos necessários na Câmara Municipal.

O que diz a Prefeitura

A Gazeta ouviu o assessor superior da Secretaria Municipal do Trabalho e Desenvolvimento Econômico, Beto Scalco, encarregado de manter o diálogo entre o Município, os empreendedores e o Governo do Estado. Scalco disse que a Prefeitura não é empresa de cobrança para atuar no caso da Serv Seguro, ressaltando que o problema deve ser resolvido entre as partes.

Em relação ao projeto frustrado da Foton Aumark do Brasil, o assessor bateu na tecla do cenário de queda na economia do País para justificar o atraso na execução do projeto. Ele disse que acredita na possibilidade da Foton China tocar o empreendimento em Guaíba, ressaltando que o contrato abre esta possibilidade e que os prazos para o cumprimento dos acordos com o Município e a Licença de Instalação (LI) vão até 2020. “O Município vai continuar fazendo tudo o que estiver ao seu alcance para que os investimentos aconteçam aqui”, destacou Scalco.

Projetos que não se confirmaram

Projetos anunciados para a Zona Mista Industrial de Guaíba que não se concretizaram: Montadora da Ford; Terex Latin América (comércio de equipamentos pesados de construção); Fate Pneus do Brasil; CGlobal Holding Brazil (fábrica de transformadores); International Pet (produção de ração canina); LG Tech Indústria e Comércio de Produtos Mecânicos, Elétricos e Eletrônicos; Vonpar (Neugebauer); WalMart (centro de distribuição de mercadorias); Renobráx Energias Renováveis; e Foton Aumark do Brasil (fábrica de caminhões).

 

 

Tags: Foton Caminhões, online, Prefeito Sperotto, Prefeitura de Guaíba, Tapes

Enviar comentário

voltar para Guaiba

left normalcase show fsN tsN fwR|left tsN fwB b03s bsd|left fwR show tsN center|c05||image-wrap|login news b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase tsN c05 sbss|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c05 sbss|signup|content-inner||